sábado, 30 de janeiro de 2021

A minha avó Gracinda e os provérbios.

 



 

Já terei escrito isto nalguma parte, v. g., nas páginas deste Diário? Pelo sim pelo não, e ciente de que repetita juvant e de que é melius abundare quam defficere, como tantas vezes repito, a história aqui vai.

No decorrer do meu terceiro ano de seminário menor (em conversas de reminiscências com velhos colegas, costumamos dizer jaula clerical, em vez de seminário), quando o bom e muito competente Padre Amador dos Anjos era meu professor de Português, não me lembro por que motivo, fiz uma redacção em que entravam muitos provérbios, quase sem eu saber, sendo vários deles totalmente desconhecidos desse meu saudoso professor.

          O Padre Amador, visivelmente impressionado, perguntou-me como é que eu sabia assim tanto provérbio. Depois de haver pensado um pouco, respondi-lhe que provavelmente acontecia isso por influência do modo de falar da minha avó materna. É que, reflectindo um pouco, cheguei à conclusão que a minha avó Gracinda raramente botava falação sem meter provérbio pelo meio ou pelo fim, quando não a torto e a direito.        

Perante essa hipótese, o Padre Amador aconselhou-lhe a munir-me de um caderno e de um lápis, logo nas próximas férias de Verão (as únicas que nos davam a nós, seminaristas salesianos), e tomar nota de todos os provérbios que eu fosse ouvindo dizer à minha avó, pois ele estava com uma enorme curiosidade de aprender provérbios novos.

Sabendo que, para um bom seminarista, o desejo de um superior era uma ordem, como nos incutiam na mente, a partir do primeiro momento em que transpúnhamos os umbrais do seminário, chegado à minha aldeia, Soutelinho da Raia, do Concelho de Chaves, creio que ainda não tinha desfeito as malas quando me aproximei da minha avó e lhe pedi, sem qualquer preâmbulo, que me dissesse um provérbio. Mediante um pedido tão inesperado e tão estranhamente bizarro, a minha avó Gracinda volta-se para mim e dispara-me com estas palavras:

- Ó filho, julgas que é só chegar à burra e tirar-lhe um figo?

Foi ela acabar de proferir este provérbio e eu a correr para o meu quarto, pegar do caderno e registá-lo nele. E, apostado em satisfazer o desejo e o pedido do meu bom professor de Português, Padre Amador dos Anjos, sei que, pelo final dessas férias, tinha eu enchido uns dois ou três cadernos de provérbios ouvidos dos lábios imaginosos e fecundos da minha avó Gracinda. Eram todos originais? Garanto que o não sei. Mas o que sei é que muitos deles tinham de ser originais, pois, se os provérbios existem, é porque alguém os inventa e a minha avó materna tinha uma inclinação inata para esse tipo de invenção, pois, de uma maneira geral, repito, quase sempre que falava saía provérbio de se lhe tirar o chapéu.

O que posso também garantir é que, nesse mesmo dia, antes de ir para a cama, ainda lhe ouvi proferir mais dois provérbios, intermediados com um da “koiné”, surgidos ao acaso, com uma espontaneidade estonteante. Brotaram-lhe dos lábios de enfiada, no momento em que ela estava a acabar de fazer um bolo para a sobremesa. Quando o meu irmão mais velho lhe chamou a atenção não sei para que defeito encontrado no bolo, a minha avó ripostou-lhe assim, a talhe de foice, sem papas na língua:

- Ó filho, isto não é nariz de santo. Para quem é, bacalhau basta. E sabes que mais? Para um atrevido e um ingrato como tu, dar-te um bolo destes é o mesmo que pôr manteiga em nariz de cão.

Declaro também que foi cheio de alegria e de orgulho, por ter uma avó tão bem-falante, que, de regresso ao seminário, me apressei a depositar esses cadernos recheados de provérbios nas mãos sôfregas, radiantes e gratas do meu professor de Português. Ter-mos-á devolvido? Não sei. E se o meu professor mos não devolveu, por que terá sido? Embora o não saiba ao certo, tenho as minhas dúvidas e as minhas desconfianças. Terá sido por que da boca franca da minha avó Gracinda saíam às vezes provérbios um pouco apimentados, susceptíveis de macular a pureza dos ouvidos de um seminarista exemplar? Pergunta sem resposta, porque nunca tive inclinação para interrogar sombras indesejáveis e muito menos para dar ouvidos a vozes de além-tumba:  a “palavras loucas, ouvidos moucos”, como diria minha avó. Só sei que nunca soube que sumiço levaram esses preciosos cadernos, repletos de provérbios da minha avó materna, o que sempre profundamente lamentei e continuo a lamentar. O que eu daria para ter hoje em meu poder esse tesouro inestimável saído dos férteis e sábios lábios da minha saudosa avó Gracinda!


António Cirurgião

 





1 comentário:

  1. My husband and I have been having lots of problems living together, he never gives me attention or makes me happy because he has fallen in love with another woman outside our marriage. I tried my best to make sure that my husband leaves this woman but the more I talk to him about it the more he makes me feel sad and unhappy, My marriage started leading to divorce because he no longer gives me attention. I wanted to forget him but i love him and didn't want to lose him. We have been married for years and he is all I could call a true best friend and best in all, the man that handles my problems perfectly, the man that makes sacrifices for ,my happiness. I wanted him back in my life badly and I was so confused. My Friends told me to buy books about relationships, so I went online for relationship books while I came across a spell caster called Dr Emu. I read testimonies and reviews about him so I contacted him immediately, explained my problems to him. Same day , he casted a spell for me and assured me for 2 days that my husband will return to me and to my greatest surprise the third day my husband came knocking on my door and begged for forgiveness. I am so happy that my love is back again and not only that, we are about to get married again, he proposed. I wouldn't stop talking about him. Contact him today if you need his help via email: emutemple@gmail.com and you will see that your problem will be solved without any delay. Website: https://emutemple.wordpress.com/

    ResponderEliminar