quinta-feira, 2 de junho de 2016




impulso!

100 discos de jazz para cativar os leigos e vencer os cépticos !

  

# 93 - DANILO PEREZ

 


 
 
Sempre para Norte caminhara o jazz até que Dizzy Gillespie, em 1954, desceu abaixo do paralelo 29, a latitude de Nova Orleães, indo ter – era sina e tradição – aonde estava a má vida. Tão bem se deu o jazz no serralho das músicas de Cuba, qual delas mais cálida, coleante e cativante, que nunca mais deixou de visitar essa casa como se fosse sua. Esta paixão, claramente de má nota, fez com que desde 1959 as autoridades cubanas tivessem uma relação muito esquerda com a resiliente presença do jazz na ilha; à uma ele era a reminiscência da ocupação dos yankees, e logo daqueles que até à revolução mais fizeram por corromper Cuba com casinos, music halls e prostíbulos; mas à outra, o jazz não era bem música de gringo. Em suma, um noivado turbulento que ainda hoje prossegue com recaídas passionais e birras ciumentas.
Devem-se estas em boa parte às peripécias de infidelidades que o jazz foi cometendo, ao amancebar-se com outros géneros nados e criados por todo esse viveiro musical que é o Mar das Caraíbas, onde procriou mais Titãs do que Gaia. Assim, além da ínclita e prolífica estirpe de intérpretes cubanos, da República Dominicana afirmou-se o pianista Michel Camilo, do México Arturo O’Farrill e de Porto Rico David Sanchez e Miguel Zenón, os únicos que, por mero atraso geracional, não foram incubados e nutridos por Gillespie. Do alagado Panamá proveio Danilo Perez que na dobra do século ascendeu a um lugar cimeiro e incontestado no jazz latino.
A epifania da globalização seduziu o jazz muito antes de o conceito existir do modo que hoje se discute. Ela terá advindo em consequência directa do seu intestino e ininterrupto desacordo entre uma negritude original e a mestiçagem cosmopolita em que se divulgou. Esta querela não apenas atravessa a música de Danilo Perez, como será mesmo o seu combustível. Sendo, por um lado, insanável a sua dívida com Dizzy Gillepsie, com quem aprendeu a receita dos melhores cocktails à base de bourbon harmónico ou de rum melódico, também, por outro, a fraternização de Perez com Wynton Marsalis, o legendário puritano do início de 80, creditou-lhe tantos dilemas como soluções.
 

Motherland
(2000)
Verve / PolyGram / Universal - 5439042
Danilo Perez (piano), Regina Carter (violin), Chris Potter (saxofones), Diego Urcola (trompete), Kurt Rosenwinkel (guitarra eléctrica), John Patitucci, Carlos Henriquez (contrabaixo), Brian Blade, Antonio Sanchez (bateria), Richard Bona, Luciana Souza, Claudia Acuna (voz), Greg Askew (bata itotele), Aquiles Baez (cuatro, guitarra acústica), Louis Bauzo (bata iya), Richard Byrd (bata konkolo), Luisito Quintero (congas), Ricaurte Villarreal (tambor repicador).
 
Uma visão retrospectiva, como se preconiza às que não iludem o prisma temporal por onde espreitam, seria capaz de equacionar a discografia de Danilo Perez anterior a “Motherland” enquanto um ensaio, já de voz singular mas ainda com programa inseguro, em preparação desta obra.
O plano de “Motherland” é de grande fôlego e não convenceu toda a gente, havendo quem, sem maus propósitos, o indexasse como world music; era ele o de compor uma suite que integrasse as várias latitudes musicais da longitude latino-americana. A sua estrutura harmónica louva-se na matriz tradicional do jazz, a goma que une os diversos idiomas latinos à conversa entre si, sem necessidade de tradução simultânea. Aos intérpretes, portanto, rogava-se que saíssem da sua zona de conforto e terem mais ouvidos do que barriga, ou, assim o afirmou Danilo Perez: “não quero escrever um diccionário – isso inibe a personalidade, (…) quero colocar-me na corda bamba.”
Não foi inteiramente exorcizado em “Motherland” o fantasma do ecletismo e com essa água nem sempre se deitaram fora os bebés do pedantismo e da pomposidade. Porém, o tino e o risco desta aventura, e, sobretudo, a categoria dos intérpretes que nela participam, colocam o disco numa posição invejavelmente modelar do jazz que se apontava à entrada do novo século.
 
 
José Navarro de Andrade
 
 
 
 
 

Sem comentários:

Publicar um comentário