quinta-feira, 26 de junho de 2014

Furacão Clarice.

 
 
 

 
Da grande Clarice escreveu Benjamin Moser a biografia – de que até existe tradução em Portugal, vejam só. Será difícil fazer melhor, é um livro único. Como única é a colectânea de Crónicas, igualmente publicadas entre nós. As crónicas femininas escritas por Clarice-jornalista também serão editadas em Portugal, ó bendita Relógio d'Água. No outro dia, porém, apareceu-me à frente outra obra; Clarice Lispector Jornalista, um livro de Aparecida Maria Nunes. Não é novidade, saiu em 2006. Vi que, entretanto, a professora Aparecida deu à estampa uma colectânea mais recente do labor de Lispector nas redacções. Só li Clarice Lispector Jornalista, que tem matérias saídas nos jornais nas décadas de 40 e 50. Mais do que os textos de Clarice – que aqui aparecem apenas parcialmente transcritos – o que encanta e fascina é conhecermos a fundo, mais a fundo do que na biografia de Moser, esta faceta da escritora. Tereza Quadros foi um dos seus noms de plume. Dava conselhos sobre como exterminar baratas, receitas fáceis para bem-viver, perfumes e camarões. Muito mais lispectoriano do que poderá parecer à primeira vista. O livro, claro, interessa sobretudo, ou quase exclusivamente, aos que têm Clarice perto do coração selvagem. Francisco de Assis Barbosa foi seu colega na redacção de A Noite (onde Clarice era a única mulher…). Conheceram-se por volta de 1940, e Assis Barbosa evoca assim a génese de Perto do coração selvagem:

 
«(…) à proporção que ia devorando os capítulos que estavam sendo dactilografados pela autora fui me compenetrando que estava diante de uma extraordinária revelação literária, onde havia muito de Clarice, onde a influência de Joyce era irrelevante, se é que efectivamente houvesse influência do grande escritor. O que havia, de facto, era o ímpeto Clarice, o furacão Clarice».
 
             Falou, Barbosa. Isso mesmo.
 
 
 
 
 
 

Sem comentários:

Publicar um comentário