terça-feira, 29 de setembro de 2015

Memórias de João Afonso.

 
 
 
 

         Entre a meia-dúzia de génios que Portugal produziu no século XX, Zeca Afonso foi um deles. Podem questionar, impugnar, discordar, o que quiserem. É a minha opinião, subjectiva. Para opiniões objectivas existem outros lugares na Rede, de acesso livre e até mesmo sem publicidade. É também sem intuitos publicitários que se louva O Último dos Colonos. Entre um e outro mar, que acaba de desaguar pela mão de João Afonso dos Santos. São as memórias de João, não de José. Mas a presença de Zeca está lá, em cada página. Não deve ser fácil ter um irmão genial. João Afonso dos Santos convive muito bem com isso – e até já dedicou um livro ao irmão mais novo, com um terno subtítulo: Zeca Afonso. Um olhar fraterno. Agora, neste primeiro volume das suas memórias, que começam pelo nascimento em Portugal, atravessam África colonial e terminam em Timor sob invasão nipónica, João Afonso dos Santos traz-nos uma narrativa exemplar: nostálgica ma non troppo, com pinceladas bem-humoradas, uma ou outra alusão reveladora da sua cultura sólida, própria de uma época (os filmes de Tati, os romances de Bernanos ou Hemingway...). O livro acaba algo abruptamente, terminando com dois extensos documentos escritos pelo pai de João e José. Aguarda-se o segundo volume, que  finda em 1975. Porque não um terceiro volume?
         Sobre Zeca Afonso muita coisa já está escrita e dita. Inclusivamente, já existem biografias, algumas de qualidade. Mas, para a feitura de uma obra mais encorpada, como o seu génio tanto merece, este livro de João será, doravante, referência fundamental. Atenção, porém: O Último dos Colonos é uma obra de memória que vale por si – e vale muito a pena  ser lida.
 
    

Sem comentários:

Publicar um comentário