quinta-feira, 19 de março de 2020

Hora de ponta. Travões a fundo.


 
 
 
Hoje urge cuidar dos vivos, agir para que fiquem vivos aqui e agora. Não chegou ainda a hora de falar do que nos ficará desta emergência de saúde planetária para enfrentar a urgência ambiental de amanhã. Mas em surdina, ou em silêncio para não juntar ruído à confusão, é também hora de ir tomando nota para esse balanço.
 
Se não é isto que faz este Mad Rush, de Philip Glass, em cerca de 6 minutos, anda lá perto.
  
New York: Mad Rush, interpretado por Thibault Cauvin e Adelaide Ferrier. Que a mim me deixam muito, muito
 calada.
 
 
Manuela Ivone Cunha
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Sem comentários:

Publicar um comentário