quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Almeida Santos (1926-2016).


 
 
 
 
 
Almeida Santos e a bravura do Exército Português
 
 
 
 
Se se fizer o cômputo das pastas ministeriais sobraçadas pelo Dr. António Almeida Santos, durante os primeiros tempos do regime ou regimes instaurados após a Revolução de 25 de Abril de 1974, é natural que se chegue à conclusão de que nenhum outro político português sobraçou tantas pastas como ele.
          À guisa de metáfora, e parafraseando, ocorre-me, a este propósito, referir as palavras que Almeida Santos proferiu perante o Capitão Armando Marques Ramos e o abaixo-assinado, por ocasião de um encontro a três, em Lisboa, quando Almeida Santos era Ministro da Justiça, durante o primeiro governo constitucional. Ao perguntarmos-lhe se era muito complicado e trabalhoso gerir esse ministério, respondeu-nos, sorrindo, que se tratava de uma espécie de oásis, em comparação com as duas pastas que tinha sobraçado anteriormente: a de Ministro para a Coordenação Territorial, durante os quatro primeiros governos provisórios, e a de Ministro da Comunicação Social, durante o sexto governo provisório. Que ainda lhe sobejava o tempo para elaborar as leis destinadas  praticamente a todos os outros ministérios, dado que a maioria dos indivíduos que estavam à frente deles pouco ou nada sabia de Direito e, por conseguinte, de feitura de leis. (Foi apoiado nestes vastos predicados de Almeida Santos e na sua rara habilidade para se movimentar como peixe na água por todos os meandros da coisa pública que o Capitão Ramos aproveitou a ocasião para proclamar que Almeida Santos era o Camões da Revolução, elogio que Almeida Santos saboreou sorridente.)
          Ora sucedeu que chegou o momento em que Almeida Santos se deu conta de que o processo revolucionário em curso (que dava pela sigla de PREC) estava a avançar demasiado rápido e demasiado à esquerda, e de uma forma demasiado anárquica, para o seu feitio e para o seu gosto. E, sendo assim, Almeida Santos decidiu dar o salto para fora do governo. Aconteceu isso com a formação do X.º governo provisório, se a memória me não falha.
          Porém, ficar sem pastas governamentais não significou, para Almeida Santos, ficar sem cargos públicos. É que, em virtude dos seus raros dotes para servir de pau para toda a colher, ou, dito de uma forma menos pedestre, de homem para todas as estações, à imitação, dentro do provincianismo lusitano, do Thomas Moore do filme Man for All Seasons,  o Presidente Costa Gomes nomeou-o imediatamente para seu Embaixador Plenipotenciário. E foi nessa capacidade que Almeida Santos se deslocou a Nova Yorque, para discutir nas Nações Unidas a questão quente de Timor. (Aliás foi por essa ocasião que Almeida Santos, segundo viria a ironizar, muito acertadamente, o Professor Adriano Moreira, descobriu que também havia portugueses em Timor e aí se vivia portuguesismo.)
          Aproveitando do estatuto de amizade e de camaradagem que o ligava a Almeida Santos, como beirões e como colegas na Universidade de Coimbra, Veiga Simão serviu-se dessa vinda dele a Nova Iorque para organizar um almoço num restaurante da 46th Street, em que participaram Almeida Santos, Veiga Simão, Seabra Veiga, Capitão Armando Ramos e o abaixo-assinado.
          Portugueses da diáspora e imersos até à medula dos ossos no processo político português, já em fase de pre-conspiração, e ansiosos por saber novidades frescas sobre o que estava acontecendo na velha e saudosa Pátria, não das publicadas nos jornais, mas das saídas directamente,  quentinhas, sem qualquer filtro, da boca de um "insider" privilegiado, no decorrer desse almoço, entre muitas outras coisas, perguntámos a Almeida Santos se finalmente iria haver um ajuste de contas entre os militares portugueses, especificamente entre os militares democratas e os militares esquerdistas que tinham tomado conta da revolução, em conivência e em parceria com o PCP (Partido Comunista Português).
          Esboçado um vago sorriso e feita uma breve pausa, Almeida Santos pronunciou estas palavras, mais ou menos textuais: "Vocês estão muito enganados. Os militares portugueses não combateram em 1910; não combateram em 1928; não combateram em África; não combateram em 74; não combaterão no futuro." Tinha razão Almeida Santos, como os factos viriam a comprovar.
          E mais disse Almeida Santos, durante esse almoço, numa tentativa de elucidar-nos, mais uma vez de forma metafórica, sobre os tradicionais e celebrados brandos costumes portugueses: "Vocês hão-de ver: os retornados que todos os dias carpem as suas tristezas e as suas desgraças na Praça do Rossio ainda um dia virão a saudar de chapéu na mão o Almirante Rosa Coutinho. Mais: Rosa Coutinho e Costa Gomes virão a morrer na cama, confortados com todos os sacramentos da Santa Madre Igreja."  
 
António Cirurgião



4 comentários:

  1. Esse criminoso foi um genocida que devia de ter sido levado a julgamento no tribunal de Haia:

    http://historiamaximus.blogspot.pt/2016/01/ha-menos-um-genocida-em-portugal.html

    ResponderEliminar
  2. "Vocês hão-de ver: os retornados que todos os dias carpem as suas tristezas e as suas desgraças na Praça do Rossio ainda um dia virão a saudar de chapéu na mão o Almirante Rosa Coutinho".

    As caixas de comentários rebentam com elogios de retornados a AS.

    "um homem que pôs sempre os interesses do ps à frente dos interesses do país" - lembrou henrique neto

    ResponderEliminar
  3. ""Os militares portugueses não combateram ""

    Queira por favor mudar militares por "a maioria dos oficiais".

    ResponderEliminar
  4. Para se fazer justiça aos retornados falta finar o ultimo carrasco dos Acordos de Lusaka... E está para muito breve!

    ResponderEliminar