sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Um escarro moral.

 
 


 

Quando a Clara me mostrou isto, eu nem queria acreditar. De nacionalidade portuguesa, radicada no Brasil, a Drª Emília Pinheiro dedica-se – e cito – «à prática terapêutica ortomolecular (ramo alternativo da medicina que visa restaurar o equilíbrio natural do organismo através do combate aos radicais livres)»
 
            A Drª Emília que vá ortomolecular para o raio que a parta. Depois de ter publicado «Dieta pelo Tipo Metabólico e Sanguíneo», lançou há uns tempos «A Dieta de Auschwitz». Livro publicado cá, em Portugal, pela Editora Ariana (o nome da chancela, como notou o olhar certeiro da Clara, é muito sugestivo). Na sinopse diz-se: «Uma comparação, sem dúvida (cómica, se não fosse trágica), entre o período em que a corrente da Alemanha nazista comandada por Adolf Hitler esteve no poder; onde a fome e a destruição era uma constante, com rações mal chegando a 10% da alimentação que seria necessária para alimentar os milhares de bocas famintas e, num outro extremo diametralmente oposto, uma miscelânea de contradições gastronómicas».
 
Uma comparação destas não é cómica nem trágica. É só estúpida. E, já agora, hedionda e vil. Um insulto a todos nós. O livro custa 19,80€ e está à venda na Wook e na FNAC. Se a Wook e a FNAC tivessem vergonha na cara, um mínimo de ética empresarial, recusar-se-iam a vender este atentado à memória de milhões de mortos – e à nossa condição de seres humanos. Não, não é censura; é bom senso e bom gosto. Vender o Mein Kampf como documento histórico é uma coisa. «A Dieta de Auschwitz» não é coisa nenhuma, é um escarro moral. Se a Drª Emília não percebeu, alguém que lhe explique. A Wook e a FNAC fariam bem eu retirar este vómito dos seus catálogos – e pedir desculpas a muita gente. Milhões de mortos, entenderam? Milhões de mortos.
 
 
António Araújo

 
 

22 comentários:

  1. Toda a razão, António.
    Teresa Mónica

    ResponderEliminar
  2. A "banalidade" da idiotice.
    A verdadeira dieta da inteligência foi de quem na FNAC e na Wook de forma intelectualmente indigente permite esta chalupada.

    ResponderEliminar
  3. Próximo livro desta autora: " A dieta de Luaty Beirão"

    ResponderEliminar
  4. Desculpem lá mas nem a FNAC nem a Wook nem nenhum livreiro deve exercer qualquer critério sobre os livros que vende. Foram publicados por uma editora? Devem pô-los à venda. Se foram maus, ninguém os comprará. Porque é que se há-de arranjar sempre boas desculpas para exercer censura? A liberdade de opinião também é válida para os imbecis.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só uma pessoa sem qualquer dignidade e sem escrúpulos pode escrever um livro destes.
      Não se trata de censura mas de princípios morais.
      Deve ser bonito o seu curso de escrita criativa no El Corte Inglês.....

      Sofia Amram

      Eliminar
    2. Jose Couto Nogueira, concordo inteiramente consigo, por uma questão de princípio. Quanto ao livro, como não o li, não vou fazer o mesmo que os outros que se julgam no direito de comentarem o que não conhecem, apenas com base no título, numa sinopse (inofensiva, no que aqui diz respeito) e na opinião de quem também não leu o livro...haja juízo, de parte a parte!

      Eliminar
    3. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
  5. Nunca fui a Auschwitz, e provavelmente nunca lá irei.
    Como já escrevei aqui noutro post, devia ser um lugar reservado.
    Não faz sentido haver por lá restaurantes, feira de quinquilharias e "recuerdos" e até como outro dia se viu, chuveiros para dias quentes.
    Depois, outros, no caso uma outra julgam que podem também tomar liberdades.
    Banalizam as coisas e depois admiram-se.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu fui a auschwitz no ano passado e não vi lá nada disso. Só lá vi uma pequena loja com livros e uma ou outra rulotte mas já afastada...acho que está a sofrer do efeito de muitos respondentes que é falar do que não sabe...

      Eliminar
  6. Tem estas coisas todas para os famikiares e descendentes visitantes! É um mínimo de conforto para um momento tão triste!

    ResponderEliminar
  7. Tem estas coisas todas para os famikiares e descendentes visitantes! É um mínimo de conforto para um momento tão triste!

    ResponderEliminar
  8. Emília O. G. Pinheiro é de nacionalidade portuguesa e toda a sua formação básica acadêmica foi realizada no exterior. Radicada no Brasil desde Outubro de 1979, é pesquisadora independente de assuntos relacionados à nutrição celular, dedicando-se, há vários anos à prática terapêutica ortomolecular (ramo alternativo da medicina que visa restaurar o equilíbrio natural do organismo através do combate aos radicais livres).

    É especialista e pioneira, no Brasil, em Nutrigenética (Dieta pelo tipo sanguíneo) e, mais recentemente em Nutrigenômica (Dieta Genética/ Epigenética), com capacitação em DNA – GENODIET, pela DFMédica Brasil (laboratório de biologia molecular fundado na Itália), além de outras formações em que se empenha para promover o bem-estar natural, com destaque para a Biorressonância Magnética – VEGATEST e Dinâmica Regenerativa Celular para o Equilíbrio Funcional. Participou de diversos cursos em Terapias Anti-Envelhecimento e Terapias Nutricionais.
    Finalizou em 2006 o curso de Extensão em Medicina Integrada (230h), pela ASAMI - Academia-Sul Americana de Medicina Integrada (Paraná-Brasil).
    Desde Maio de 2005 que é apontada, pelo Instituto Brasileiro de Pesquisas Mercadológicas, sempre em 1º lugar, na categoria “Destaque em Terapia Ortomolecular e Dieta Pelo Tipo Sanguineo – Maringá e região”, pelo reconhecimento ao excelente trabalho de tantos anos, na incansável busca da harmonia de todos os que a requisitam, em todo o país e do exterior.
    Organiza, com certa periodicidade, Workshops, além de proferir palestras, dirigidos ao público em geral, em que a principal prioridade é fornecer aos participantes as informações necessárias, com foco na alimentação, atividade física e rotina de vida, ajustados à individualidade biológica.
    É autora do livro "Dieta Pelo Tipo Metabólico e Sanguíneo", lançado no Brasil, pela Editora Unicorpore, 2ª edição - revista e ampliada (esgotado) - e, em Maio de 2009, em Portugal, pela Ariana Editora. Em Outubro do presente ano (2014) será lançada sua última edição do título, no Brasil.

    Seu segundo livro, “A Dieta de Auschwitz Versus O Pão Nosso de Cada Dia” - Ariana Editora - foi lançado em 2010, 20 de Novembro, em Portugal, título ainda inédito no Brasil.

    Seu terceiro título já estará disponível no mercado, até o 2º semestre de 2015, denominado: “O Código Divino (A Dieta Epigenética)”.

    É autora de diversos artigos publicados em revistas eletrônicas, nacionais e internacionais - e jornais - Gazeta do Povo (Curitiba - PR), Zero Hora (Porto Alegre - RS), O Estado de S. Paulo (São Paulo-SP) e O Estado do RJ (Rio de Janeiro – RJ).

    Participou de várias entrevistas em emissoras de rádio, de diversas cidades brasileiras, entre elas a Rádio Jovem Pan do Rio de Janeiro (RJ).

    Atualmente, atende em Curitiba, (PR).

    230h OK!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois sim, tá bem! E isto tudo faz dela uma pessoa indiferente aos factos de que se fala no artigo, estúpida na avaliação humana que faz ao publicar uma "obra" (certamente deve ser do verbo obrar) a que dá o nome de Dieta de Auschwitz? Blaggghhhhh

      Eliminar
  9. Continue-se a menosprezar o ensino da História nas escolas - que sei, é um problema transversal - e continuaremos a ter mais e mais e mais e mais destas publicações miseráveis.

    ResponderEliminar
  10. Também, pelo que percebo, o problema está no nome do livro, é isso (não faço ideia qual seja o conteúdo, mas nesta critica também não ví nenhuma referencia ao conteúdo do livro)?

    ResponderEliminar
  11. Eu também fui publicado no zero hora, falei na rádio e TV, comprei cursinhos de caca e estou farto de publicar, e nem nunca fui ao Brasil... E isso não quer dizer que faça alguma coisa de jeito ou com mérito, embora esteja seguro de que na minha insignificância tenho mil vezes mais mérito do que esta emérita.

    ResponderEliminar
  12. Querer esconder a história(boa ou má, dependendo da agenda) não querendo o seu registo e a sua divulgação pública é a receita perfeita para voltar acontecer outra vez e outra vez e outra vez e..........

    ResponderEliminar
  13. Ela não é doutora não...nem doutora, nem médica, nem nutricionista...

    ResponderEliminar
  14. http://www.sabado.pt/vida/detalhe/a-dieta-de-auschwitz-e-o-livro-mais-polemico-do-ano
    Nesta entrevista ela se diz apenas uma pessoa interessada no tema da dieta...

    ResponderEliminar