terça-feira, 8 de março de 2016

Assim, sim.

 
 
         Há muitos, muitos anos, numa galáxia distante, depois de eu ter feito o exame da 4ª classe, o meu pai levou-me aqui:
 

 
 
         A livraria da Romano Torres, na Rua da Escola Politécnica. A mina dos livros de Emilio Salgari, tardes passadas a lê-los... Agora, saiu um livro sobre essa fabulosa editora. Organizado por Daniel Melo, chama-se História e Património da edição – a Romano Torres. O que fizeram para salvar a memória da Romano Torres é um trabalho absolutamente notável. Tem um site com muita informação (e capas extraordinárias!), um mundo de encantamentos.
 
 
 
          Aguarda-se um trabalho aprofundado sobre as edições portuguesas de Emilio Salgari. Quem o lê, hoje em dia? Porque não o reeditam, de forma metódica e sistemática? Mas deixemo-nos de queixumes e lamentações saudosistas. O dia é para saudar o livro de Daniel Melo e o labor da equipa «Projecto Romano Torres». Obrigado.
 
António Araújo
 
 
 
 
 

7 comentários:

  1. O que é fantástico (tanto quanto sei) o Salgari nunca saiu da Escócia?!Imaginava um grande explorador quando lia e como invejava as terras que ele conhecia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Salgari (Emilio Salgari) era italiano.
      https://pt.wikipedia.org/wiki/Emilio_Salgari

      Eliminar
  2. O que seria de mim sem as suas fantásticas informações, António. Nem a Cecília Barreira, com quem tenho frequente contacto, nem a família Noronha Andrade (da Romano Torres), que conheço desde criança (as nossas Mães eram grandes amigas) e com quem falo quase diariamente me disseram nada disto. Que bom, que bom, que bom. Sabia que o Xico tinha o arquivo e estava em boas mãos. Já lhe dei os parabéns. Era uma grande angústia minha saber que se estavam e estão a perder arquivos das editoras que estão a desaparecer e desde há muito tempo que sei não poder a Biblioteca Nacional acudir a tudo isto. Obrigada mais uma vez, com a amizade da
    Maria Teresa Mónica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem agradece sou eu, Teresa, as suas gentis palavras.

      Com amizade

      António

      Eliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Confirmo caro António ! Visitei o Arquivo e fiz valer a simpatia da equipa de investigadores que nele trabalhou e trabalha para obter digitalizações que não estão no "site". Uma gentileza !
    Ricardo Leite Pinto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, Ricardo!

      Um abraço amigo,

      António

      Eliminar