domingo, 20 de maio de 2012

O homem sem qualidades.

.
.
.










Brandt sozinho

Acompanhado de Matthias Wähner

O original

A manipulação



Neste projecto fotográfico de 1994, intitulado Mann ohne Eigenshaften, Matthias Wähner revisita o título da conhecida obra de Musil, O Homem Sem Qualidades, e revista também algumas imagens marcantes do século XX, colocando-se ao lado de personalidades famosas. Os dirigentes soviéticos faziam desaparecer personalidades incómodas das fotografias; Matthias faz o inverso: é o intruso banal, que aparece onde não é chamado.   Na banalidade, um prolongamento de Mr. Chance, de Peter Sellers, e, na intrusão, uma antecipação de Forrest Gump. Outros fotógrafos fizeram ensaios semelhantes de manipulação, como acontece com o chinês Zhao Shaoruo, que surge em diversos actos oficiais do regime comunista de Pequim. Neste domínio, o trabalho de manipulação mais engenhoso é, sem dúvida, o de Laura Baigorri, como bem refere Joan Fontcuberta no livro O beijo de Judas. Fotografia e Verdade, trad. port., 2010, pp. 115ss.    

Sem comentários:

Publicar um comentário